Carta aberta ao Senhor Presidente (6) – Nini Satar

Loading...

Carta aberta ao Senhor Presidente

Carta aberta ao Senhor Presidente (6)

Sua Excelência Senhor Filipe Jacinto Nyusi, Presidente de todos os Moçambicanos. pela sexta vez volto a tomar a liberdade de lhe escrever uma carta aberta, como forma de interagir consigo.
Lembrar-se-à certamente que pelas suas próprias palavras disse que nós Os Moçambicanos somos os seus PATRÕES. É nessa condição que dedico estas novas linhas.
Excelência várias notícias a nível interno e externo indicam que o país está á beira de um indisfarçável caos económico.
É porque no meio da desgraça do povo um mal nunca vem só, temos uma guerra ainda não declarada em curso que está a matar milhares de civis inocentes e a levar outros para os países vizinhos como refugiados.

Senhor Presidente
Tenho estado a acompanhar as noticias, segundo as quais o primeiro -ministro ,Carlos Agostinho do Rosário, e o ministro da Economia e Finanças , Adriano Maleiane, se encontram em Washington DC, a capital politica do imperio mundial, para se justificarem da colossal diviva publica, contraida em segredo ao parlamento e ao povo moçambicano, pelo anterior governo, onde vossa Excia ocupava a cadeira de ministro da Defesa.
Como foi que nos chegamos a este ponto? Como ?!

Senhor Presidente
Há alguns anos, o vitalicio Presidente do Zimbabue, diante da crise pós-eleitoral numa tirada de inteligencia, sentou-se com Morgan Tsivangirai ,o lider da oposição ,e deu-lhe o cargo de primeiro-ministro.
Acho o exemplo um caso que V.Excia deviria ter seguido, logo após ter vencido as eleições diante do protesto do maior líder da oposição.
Se eu, Nini Satar tivesse sido eleito Presidente da República,
antes da tomada de posse e do juramento da bandeira e da constituição, sentava com Dhlkama e dizia-lhe, amigalvamente meu irmão vamos parar com a guerra, resolvia-lhe os problemas básicos (dele e dos seus partidários) e pedia-lhe um ano para arrumar o pais ate acomodar algumas das suas pretensões de ponto de vista legal.
Nesse ano de contençao, iria fazer ecoar o meu nome, a par de atrair investimentos, muito mais do que o meu antecessor, hoje queimado na fotografia da historia com os escandalos na mesa dos moçambicanos.

Senhor Presidente
Com os recursos minerais, petróleo, iria atrair grandes investidores no mundo, tal como os rubis de Montepuez sao vendidos em leiloes a milhoes de dolares.
Quem não iria aplaudi-lo se a semelhança de Mugabe atribuísse um cargo aDhlkama para o bem da paz ? Quem ?

Senhor Presidente
Afinal a divida pública é de 8 biliões de dolares. acha isso muito para Moçambique? Há paises que devem muito mais do que isso. o grande problema é que não soube dar a volta a tudo isso. afugentou os investidores, descobriu a divida e a Dinamarca esta a fechar a embaixada para o ano. o que se segue?

Senhor Presidente
Diante desta crise e da falta de uma posição clara do governo, garanto lhe que muitos empresários vão fechar as suas lojas. no informal o dolar esta a 62 meticais nos bancos não há reservas e pior de tudo isto não e Guebuza , mas a inerte Procuradora-“geral da República (PGR) que devia emitir mandados de captura contra os que esvaziaram o cofre do Estado.
Depois da PGR que se diz guardiã da legalidade, fazer o que lhe compete, sentava depois de um ano com Dhlkama para lhe explicar que tinha que arrumar o país. Mas sem guerra desnecessária.

Senhor Presidente
Caso esteja comprometido com alguma assinatura no dossiê Ematum, saia publicamente e peça desculpas tal como fez Jacob Zuma em relação a Nkandla.
Se foi Guebuza quem levou o dinheiro, ou Manuel Chang como dizem por aí, então deixe de ir ao FMI, Banco Mundial e peça emprestado dinheiros a eles para salvar o país !

Nini Satar

Jacinto G. Manusse

É um Empreendedor e Consultor de Marketing Digital que dedica a sua vida à produção e partilha de conteúdos de grande qualidade, contando já com alguns dos mais reconhecidos blogs em Moçambique.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *