LAM: Orgulho moçambicano na falência!

Loading...

LAM: Orgulho moçambicano na falência!

Todos os moçambicanos do Rovuma ao Maputo, do Zumbo ao Índico, mesmo os que vivem no estrangeiro, conhecem a companhia da bandeira nacional. A actual LAM foi criada pelo Governo português em 1936 com a designação de Direcção de Exploração de Transportes Aéreos (DETA). Após a independência de Moçambique, em 1975, é extinta a DETA e criada a LAM, uma empresa estatal sob tutela do Ministério dos Transportes e Comunicações entre 1980 e 1989.

Segundo o decreto Lei Nº 69/98 de 23 de Dezembro de 1998, a LAM é transformada em Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada, adoptando a denominação de LAM – Linhas Aéreas de Moçambique, S.A.R.L. Assim, o Estado moçambicano possui actualmente 80% das acções da nova sociedade formada e os gestores, técnicos e trabalhadores da LAM, os restantes 20 % das acções.

São ainda memoráveis aquelas palavras pronunciadas pelo saudoso Presidente Samora Machel: “A LAM vai ser orgulho de Moçambique!”

Falência

No dia 5 de Setembro corrente, o novo PCA da LAM, António Pinto de Abreu, veio, finalmente, a público assumir que a empresa está endividada em 139 milhões de dólares norte-americanos. A empresa não tem lucros. Isto é, uma máquina de calcular de oito dígitos nem chegaria a fazer o contra-valor em meticais. 139 milhões de dólares é muito dinheiro!

António Pinto de Abreu, quadro sénior do Banco de Moçambique, foi deslocado desta instituição para assumir a liderança da LAM. Ele foi peremptório ao afirmar que a empresa há muitos anos que não regista receitas financeiras. A cada dia tende a piorar. Pecou ele ao afirmar que os prejuízos da LAM se devem à tensão político-militar (guerra). Para mim, isto é falacioso.

Antes do António Pinto de Abreu foram PCAs da da LAM José Vieigas, Teodoro Waty e Silvestre Sechene. Será que foram eles os responsáveis pelo colapso da companhia da bandeira? Eu julgo que não.

Os problemas de todas as empresas públicas moçambicanas surgem da promiscuidade partido/ Estado. A Frelimo anda metida em todas as empresas públicas. Se forem a ver, o próprio Secretário-Geral do partido Frelimo, Eliseu Machava, ganha mensalmente um salário chorudo e este valor sai de alguma empresa pública. Ide para o presidente da Associação dos Combatentes da Luta de Libertação Nacional (ACLLN), Fernando Faustino, e demais quadros do partido. Atenção: eles não são funcionários públicos. São funcionários do partido Frelimo.

E essa mesma Frelimo sempre que organiza um evento, com destaque para congressos, vai buscar dinheiro aos cofres do Estado. Como é que pensam que as empresas públicas podem sobreviver a pagar salários a “funcionários fantasmas?”. Isso de nomear um camarada para cargo de administrador, PCA não executivo e eu sei lá, pessoas que nunca põem os pés à empresa, é só para acomodá-las. É só para mamar às tetas do Estado. E cá estamos: falência da Mcel, TDM, LAM e ainda serão anunciadas outras empresas públicas.

O que faz a Procuradoria-Geral da República?

Se forem a reparar, a composição dos órgãos que deviam disciplinar os prevaricadores parece ter sido feita propositadamente: só são mulheres. Não que eu tenha algo contra as mulheres. A Procuradora-Geral da República é Beatriz Buchili, depois temos a Procuradora-chefe da cidade de Maputo, Amélia Machava, e por fim a directora do GCCC, Ana Maria Gemo. O que fazem estas senhoras para combaterem o crime? Zero!

Eu sugiro que estas senhoras deviam sair da sua comodidade: ar condicionado, poltronas, alcatifas, Mercedes, Ajudantes de Campo e várias mordomias e combaterem os prevaricadores. Andam aos magotes na Função Pública. Caso não, estamos a pagar salários a pessoas inoperantes. Não fazem nada. Engordam a olhos vistos quando o povo soçobra na miséria. São parasitas. Sugam dos contribuintes.

Em conversas que tenho mantido com alguns procuradores, sempre me têm dito que na Procuradoria não acontece nada. Quando se fala de tubarões não há processo nenhum. O dia-a-dia é perseguir os Ninis. É assim que o país vai crescer?

Isto até já começa a fartar. Moçambique não produz nada mas dá salários chorudos a um punhado de inoperantes. Se esse dinheiro fosse distribuído equitativamente quantas escolas teríamos, carteiras, hospitais, supermercados, espaços para o lazer, estradas, fontes de água, etc.?

Nini Satar

Jacinto G. Manusse

É um Empreendedor e Consultor de Marketing Digital que dedica a sua vida à produção e partilha de conteúdos de grande qualidade, contando já com alguns dos mais reconhecidos blogs em Moçambique.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *