Depositantes do “banco chinês” exigem respostas à Procuradoria

Loading...

Parte dos cerca de 16 mil depositantes burlados pela instituição financeira denominada Associação de Crédito Ajuda Mútua, mais conhecida por banco chinês, que aliciava os depositantes com juros altos, juntou-se hoje, em frente à Procuradoria da Cidade de Maputo, para buscar respostas sobre o processo que corre há cerca de sete meses.

A espera era longa, tanto que houve quem optasse por se manter sentado e até mesmo deitado. Entre os lesados está Alberto Muti, residente em Massinga. Muti depositou 200 mil meticais, e diz estar cada vez mais difícil vir à Maputo para exigir o seu dinheiro.

Os depositantes dizem que o dinheiro cativo foi conseguido com muito esforço, por isso pedem que seja devolvido.

Enquanto os depositantes aguardavam do lado de fora, a comissão criada para lidar com o processo reuniu-se com o procurador responsável pelo caso. Duas horas depois, veio a resposta. Ainda não há dinheiro para reembolsar, situação que gerou indignação dos lesados que há muito esperam recuperar o seu dinheiro.

Em Julho de 2016, o Banco de Moçambique cativou as contas da suposta Instituição bancária e desencadeou um processo de investigação que visa esclarecer os contornos da operação de angariação de depositantes que recebiam juros mensais estimados em 30%.

OPAIS 

Jacinto G. Manusse

É um Empreendedor e Consultor de Marketing Digital que dedica a sua vida à produção e partilha de conteúdos de grande qualidade, contando já com alguns dos mais reconhecidos blogs em Moçambique.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *