Polícia expulsa agentes por envolvimento com malfeitores

Loading...

Pelo menos 251 agentes da Polícia da República de Moçambique (PRM) foram expulsos, de 2017 a este ano, no país, acusados de vários crimes, dos quais infiltração na corporação e aluguer de armas de fogo a malfeitores.

Dos implicados, 32 foram afastados das suas funções no primeiro trimestre deste ano. Sobre eles pesava igualmente o crime de abandono de posto e envolvimento com grupos de meliantes, disse o comandante-geral da PRM, Bernardino Rafael, na cidade de Chimoio, província de Manica.

Por conta do mesmo tipo de crime, em 2018, outros 82 agentes foram expulsos da corporação e 137, em 2017.

Falando segunda-feira, na cerimónia de patenteamento de 115 agentes da corporação em Manica, entre oficiais subalternos e superiores, Bernardino Rafael justificou as expulsões dizendo: “estamos a purificar as fileiras” e alertou que a Polícia está atenta a “comportamentos desviantes de agentes nocivos à corporação”.

Ao invés de se dedicarem ao crime, os agentes da Polícia devem “tornar uma realidade a ordem e segurança públicas, livre circulação de bens e combate a acidentes de viação” no país.

A PRM patenteou 311 oficiais superiores, subalternos e sargentos nas províncias de Sofala, Manica, Tete e Zambézia, segundo o comandante-geral, que apelou aos agentes da lei e ordem a trabalharem com vista a tornar as eleições gerais de 15 de Outubro próximo “num momento de festa”. 

Bernardino orientou ainda aos seus colegas a não abrirem “espaço para os criminosos”, devendo apertar o cerco. “Não fiquem sentados, os oficias da Polícia não ficam nos gabinetes, é para estarem a patrulhar”. 

Opais

Gabriel Simao

Gabriel Simao É um Blogueiro Moçambicano especialista na produção de artigos de grande qualidade na Pagina Web INFROMOZ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *