Inês Moiane diz ter sido detida antes de ser ouvida pela PGR

Loading...

Com voz trémula, Inês Moiane começou por se apresentar e disse que era gestora de profissão. A ré confirmou que esteve no primeiro dia do julgamento e ouviu as acusações que pesam sobre si.

No dia 13 de Fevereiro de 2019, diz que, estando num funeral, recebeu uma chamada de alguém que ligava da Procuradoria, querendo encontrar-se com ela.

No dia 14, diz ter sido comunicada que havia dois agentes da Polícia fora da sua casa e com mandado de busca e captura. Queriam entrar, mas recusou-se, porque não tinha sido ouvida pela PGR.

“Entraram na casa e detiveram-me. Levaram-me para o carro, onde havia mais homens armados e sentei-me sobre as armas espalhadas no carro, mas nunca tinha sido dita sobre o que estava a acontecer”, contou.

OPAIS

Jacinto G. Manusse

É um Empreendedor e Consultor de Marketing Digital que dedica a sua vida à produção e partilha de conteúdos de grande qualidade, contando já com alguns dos mais reconhecidos blogs em Moçambique.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *